10 nov

#40 [Brainstorm] Ser freelancer ou não ser?

Vitrine do quadro Brainstorm do episódio 33 do Degêcast, com foto dos freelancer Allan Nogueira e Lula Amaral

Freelancer, perfil profissional e crescimento da profissão

Ser freelancer foi a escolha de 33% das pessoas desempregadas no ano de 2015 no Brasil. Com as altas taxas de desemprego, ser freela foi a alternativa de milhares de pessoas, principalmente das áreas de tecnologia, para driblar a falta de dinheiro.

Segundo o site Aparelho Elétrico, 48,5% desses trabalhadores tem entre 25 e 35 anos e 32,9% estão no estado de São Paulo.  Dentre eles,  34,4% usam transporte público como principal meio de tranporte. 35% são designers gráficos, 29% programadores web e 16% são criadores de conteúdo. Além disso, 43% despendem tempo integral nessa função contra 39,3% que se dedicam apenas nas horas livres e 17,7% que dedicam somente meio período.

A renda de freelancers variam entre R$ 1.000,00 e R$ 2,500,00 por mês, e a grande motivação para essas pessoas é a flexibilidade de horários. Outros ainda apontam os  ganhos, autonomia e independência geográfica como relevância. Mas nem tudo são flores no mundo dos “jobs”, termo utilizado para designar projetos em execução. Mais de 50% desse freelas possuem outras formas de renda, como empregos tradicionais e investimentos.

Além disso, lidar com a variação da renda mensal é a maior dificuldade dos freelancers, sendo citado por 28,7% das pessoas, seguido de disciplina e administração financeira. A grande maioria desses profissionais é graduado e captam clientes por meio de indicações. Foram 37,6% desses profissionais que disseram manter a carga horária equilibrada e 54,6% não tiram férias.

Do outro lado, algumas empresas tiveram que enxugar a estrutura ao máximo para permanecerem ativas no mercado. Empresas que contavam com até 10 funcionários hoje preferem contratar freelancers, já que pagar por projeto é menos oneroso para o empregador do que ter um profissional com carteira assinada.

Mitos e realidades da vida de freelancer

Mas aos que pensam que a vida de freela é simples e desimpedida, listamos alguns mitos da profissão:

1. “Freela acorda todos os dias ao meio dia”: Sim, você poderá organizar seus horários e fazer coisas dentro do seu próprio cronograma. Isso inclui acordar mais cedo ou mais tarde, dependendo do seu estilo. Mas há duas dicas valiosas: “cumpra seus prazos” e “atenda bem seus clientes”. Quando se está em um job, você é o atendimento ao cliente e empresas funcionam em horário comercial. Logo, mantenha-se disponível nesse período.

2. “Freelancer faz o que quiser, quando quiser”: Sim, você terá muito mais autonomia do que grande parte dos seus amigos que trabalham em empresas tradicionais. Mas, se você quiser dinheiro suficiente para viver, você precisará trabalhar as mesmas horas que em uma empresa ou até mais. A questão aqui não é trabalhar menos, é aproveitar melhor o seu tempo. Faça cronogramas e aproveite seu tempo da melhor forma possível.

3. “Freela nunca mais vai usar roupas sociais”: Se você for a uma reunião com o cliente de bermuda e chinelos, sua reputação ficará abalada. Sim, as empresas e pessoas que contratam seus serviços valorizam o código de vestimenta, portanto, você ainda poderá usar social em diversas ocasiões – ou pelo menos um casual elegante.

Crie o hábito de usar roupas e não pijamas enquanto trabalha. Esteja com boa aparência, você não sabe quando o cliente irá pedir uma conferência de última hora. Além disso, existem estudos que relatam que a produtividade melhora quando você tem bons hábitos no home office (escritório em casa).

4. Vida tranquila x Ganhos: se você acredita que ser freela é ganhar muito e trabalhar pouco, você está fora da realidade. Existe uma relação de proporção bastante complexa na vida de freela. Essa relação diz respeito a ganhos X vida tranquila.  Quanto mais dinheiro você quer ganhar, mais terá que trabalhar, e quanto mais você trabalha, menos tranquila será a vida. Conseguiram entender o ciclo?

O ideal é trabalhar o suficiente para cobrir suas despesas. E, acredite, cortar gastos é mais fácil do que ganhar mais dinheiro. Não que você não possa querer ganhar mais ou fazer mais jobs para torrar seu dinheiro com algo legal. Tudo bem fazer isso, mas não está tudo bem se matar todos os meses para fazer “fortuna”.

6. Não ter chefe: esse é o maior mito do mundo dos freelas. Sim, você não tem aquela pessoa cobrando mil coisas antes das 9h, mas você tem sim seus clientes, que após a contratação serão sem dúvidas seus chefes naquele período. Você está suscetível a prazos, alterações e mudanças de planos o tempo todo, e clientes são muito exigentes. Ademais, o cliente não está preocupado com o seu desenvolvimento profissional, assim como um gestor deveria estar.

E no episódio de hoje…

Você já conhece o Brainstorm, nosso quadro de entrevistas. No episódio de hoje, recebemos Allan Nogueira, da An.Design, e Lula Amaral, da Krearis Design Studio, dois freelancers que atuam na área de design, mais especificamente em web design e criação de marcas, respectivamente. Além de conversar sobre as motivações, vantagens e desvantagens de ser um profissional autônomo, os dois dão dicas valiosas para quem quer começar uma carreira como freelancer. Aperte o play e confira!

Links Importantes:

Créditos

Trilha sonora por Daniel Piquê (em ordem de aparição):
– The short of Nutcase
– Croak
– Colic
Todas faixas do álbum Boo! (baixe o álbum completo clicando aqui)

Mande comentários, sugestões, críticas e opiniões para degecast@gmail.com
Visite nosso sitehttp://degecast.com.br
Curta a página do Degêcast no Facebook
Siga@degecast no Twitter
Compartilhe esse episódio com alguém que poderá gostar do tema!

Degêcast, abreviação abrasileirada de Design Gráfico, é um podcast desenvolvido por estudantes e professores do curso de Design Gráfico do Centro Universitário Barão de Mauá, em Ribeirão Preto – SP.

Assine o Degêcast no seu celular ou no iTunes pelos links abaixo, dê play no reprodutor para ouvir agora ou faça download do arquivo mp3 e escute offline no seu celular ou computador.

4 thoughts on “#40 [Brainstorm] Ser freelancer ou não ser?

  1. Buenas Alberto!
    Acabo de ouvir o programa (mil gracias pela lembrança!).
    Concordo a pleno com as afirmações do Allan Nogueira e do Lula Amaral sobre o profissional autônomo, ou freela, ter a necessidade de ser superhipermega organizado ao atender todas as funções pertinentes para que as coisas realmente andem na linha.
    Porém, talvez por ser Uruguaiana, uma cidade menor que Ribeirão Preto, entendo que estas funções aumentem significativamente. Observei que ambos ainda conseguem implementar suas atividades focando em ações mais específicas, como desenvolvimento de sites ou de criação de marcas respectivamente, já aqui, preciso atuar nas áreas de design gráfico, branding e marketing, sendo que no marketing ainda desenvolvo serviços no mkt tradicional e no mkt digital.
    Isto é, a pegada é mais louca ainda… mas enfim, para a gente que faz o serviço por conta, que é freel, ou autônomo, isso faz parte do jogo.
    Um grande e forte abração!
    Ah, tbm escutei o programa da Farofa Magazine (tá show de bola!)…
    Sucesso sempre!
    Adelante!
    o/

    • Grande, Paulo! Muito obrigado pelo seu comentário compartilhando a realidade de Uruguaiana com a gente! Realmente, quanto menor a cidade, mas generalista o profissional precisa ser, né? Enquanto que em grandes centros a tendência é o surgimento (e a necessidade) de profissionais bastante especialistas em micro-funções dentro de uma grande área – tipo um modelador 3D superhipermega virtuoso que não faz animação… 😉 Obrigado novamente pela participação e até uma próxima. Abração… 🙂

  2. Muito boa a entrevista com o Allan e o Lula. Galera de responsa que ta ai na briga do mercado de todo dia.
    Me identifico muito, porque também estou no mesmo caminho.
    Não importa quanto tempo se está no mercado, que está sempre em constante evolução e temos de acompanhar o movimento. Parabéns o todos ai do dgcast.

    • Fala, Paulo! Cara, muito obrigado pelo seu comentário e pelas gentis palavras! A entrevista com os dois ficou muito boa mesmo, né? 😉 Sem dúvida você também tem muito a contribuir com o tema, estando há tanto tempo atuando com sucesso como autônomo na área de fotografia em Ribeirão Preto – SP. Nós do Degêcast desejamos ainda mais sorte a você, sabendo que a sorte não é fruto do acaso, e sim de muito esforço e planejamento. Um abração e boas coisas… 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logotipo vertical Degêcast

Inscreva-se em nossa newsletter

Cadastre-se em nossa lista de e-mails para receber notícias, dicas e atualizações semanais sobre design, comunicação e tecnologia.

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso! Obrigado por assinar nossa newsletter! :-)

Powered by